CONBIM 2.0

Vem ai o CONBIM 2.0 o Congresso online de BIM na sua 2a edição. Tivemos em 2015 a 1a edição deste congresso que permitiu que muita gente pudesse tomar contato com a tecnologia BIM (Building Information Modeling) pela 1a vez sem gastos e com muita informação.

Agora estamos já na 2a edição. Veja como participar clicando aqui e aprenda muito sobre o BIM com especialistas de varias áreas e  convidados internacionais.

Vou apresentar uma palestra sobre trabalho Colaborativo no Autodesk Revit onde explico como vários projetistas  podem trabalhar num mesmo arquivo de Revit e dividir um projeto visando maior produtividade.

Espero você lá!

conbim-2017-logo-450x400

Livros Revit e AutoCAD versão 2017

Já estão atualizados os livros Estudo Dirigido de AutoCAD 2017 e Revit 2017 – Conceitos e Aplicações.

 

capa-revit-2017

Revit 2017 – Conceitos e Aplicações – Sinopse

A obra cobre  as principais ferramentas do programa Autodesk Revit Architecture 2017, como a modelagem dos elementos construtivos  do  edifício (paredes, escadas, telhados e estrutura) e ensina a extrair dados para tabelas de quantitativos e criação de vistas de documentação 2D e 3D.

Discorre sobre como iniciar um projeto em forma de passo a passo e como configurar estilos de representação de elementos e criação de templates(modelos) de projeto. Orienta sobre a inserção de informações do projeto a serem utilizadas nas pranchas e a configuração para impressão e exportação para o AutoCAD (DWG).

Aborda o compartilhamento de projeto para trabalho em equipe por meio da ferramenta Worksets. Os aprimoramentos apresentados na versão 2017, como melhorias em tabelas, a simulação de profundidade em vistas de elevação, a renderização, a criação e edição de textos mais dinâmicos, inserção de guarda corpos em superfícies inclinadas como paredes e pisos também são tratados no livro.

A obra cobre os tópicos da prova de Certificação Profissional 2016 em Revit Architecture da Autodesk, relacionando os itens dos exames de certificação e os capítulos correspondentes.

 

capa-ed-autocad

Estudo Dirigido de AutoCAD 2017 – Sinopse

O livro ensina os fundamentos do AutoCAD com exemplos, instruções passo-a-passo, e exercícios ao final de cada capitulo para reforçar o conteúdo.

Este livro é destinado aos iniciantes e aos profissionais que vão aprender essa ferramenta tão utilizada mundialmente para  gerar desenhos e para os que  já utilizam o AutoCAD e a aprofundar os conhecimentos em um capitulo sobre produtividade.

Todos os  conceitos básicos de desenho em CAD são apresentados com exemplos práticos. As ferramentas de criação e edição dos desenhos são apresentadas em forma de passo a passo. Você também vai aprender a usar o sistema de coordenadas, ferramentas com precisão, criação de textos, desenhos paramétricos, tabelas, link com planilhas e a criação de bibliotecas de símbolos.

Nesta versão o AutoCAD  importa de um arquivo PDF para o desenho convertendo os elementos em desenho e texto.

A impressão do desenho tem um capitulo com vários  exemplos de montagem de folhas em escala.

A interação com a Internet hoje é vital para o bom compartilhamento de desenhos de forma que um dos capítulos trata só dos recursos de Internet. Hoje você usa o AutoCAD  em várias plataformas – desktop nuvem dispositivos moveis.

Outro ponto importante é a geração de  arquivos em outros formatos (DWF e PDF) para impressão e exportação.

No final temos um capitulo com todas as novidades dessa versão.

Este livro tem como objetivo fornecer um conteúdo programático de aula, pois os assuntos são tratados na seqüência evolutiva da mesma forma que se desenvolve um projeto.  Sendo  útil a alunos e professores, como também a profissionais da área.

É com muito orgulho que informo mais esta conquista o de Membro da RICS. Após um bem sucedido curso de introdução a Gestão e Implementação da Tecnologia BIM  que discutiu a implantação do BIM no Reino Unido que fui incluída como um membro de tão notável instituição.

Certificado Claudia

grupo rics2

Autodesk University Brasil 2015

Aconteceu em São Paulo no dia 3 de setembro a 5a versão do congesso mais importante da Autodesk e reuniu mais de mil participantes no centro de convenções WTC. Foi mais um grande encontro de profissionais que puderam trocar informações e assistir a mais de 50 palestras sobre as soluções Autodesk. Eu encontrei clientes e amigos e muitos leitores de meus livros que me agradeceram pela ajuda que dou através de minhas aulas e livros. Obrigada pelo carinho. Ficam ótimas recordações!

IMG_5334 IMG_5339 IMG_5433 IMG_5426 IMG_5422IMG_5358 IMG_5362 IMG_5365 IMG_5380IMG_5486IMG_5488

Os progressos do BIM no Brasil e no mundo

As desculpas encontradas para a adoção da tecnologia BIM (Building Information Modeling) no Brasil perpassam da falta de investimentos necessários por parte do mercado e pela espera de parceiros e concorrentes se adiantarem para tomarem uma inciativa. Mas, é chegada a hora de olhar o outro lado: os benefícios que a adoção do BIM pode trazer para o negócio.

Muitas pesquisas já foram feitas mostrando o quanto o setor da construção está se beneficiando do processo. Os primeiros relatórios do mercado americano do Smart Market Report da McGraw Hill, feito em 2007, apontaram uma redução de até 40% das alterações em projetos e 80% de redução de tempo para estimativas de custo com até 97% de precisão. Além disso, o documento aponta uma economia acima de 10% pelo valor de contrato pela descoberta de interferências e mais de 7% do tempo de redução de projeto. Já o relatório da mesma instituição realizado em 2014 fez uma pesquisa nos cinco continentes sobre o uso do BIM e três quartos dos construtores pesquisados reportam um ROI positivo com o uso da tecnologia.

Em 2013, a Pini realizou uma pesquisa sobre a utilização do BIM no Brasil apontando que entre os 588 entrevistados mais de 90% pretendiam utilizar a tecnologia nos próximos cinco anos. Desses entrevistados, cerca de 54% eram engenheiros e 45% arquitetos. Na época da pesquisa, 40% dos entrevistados já utilizavam a tecnologia e 60% ainda não a utilizavam. Mais de 80% usava a tecnologia para projetos, seguido de 60% que usava para extração de quantitativos e cerca de 50% a usavam para compatibilização de projetos.

Analisando outros países que já adotaram o BIM e estão em estágios avançados ou estão em fase de adoção com medidas governamentais impulsionando a introdução da tecnologia, vemos situações bem diferentes. No Reino Unido, o governo criou uma lei em 2011 na qual todos os projetos para o governo a partir de 2016 só serão aceitos em BIM no nivel 2. Isso impulsionou o mercado de tal forma que houve um aumento nas atividades em BIM em 37% no país.

Na Austrália, em contrapartida, existe um grande número de profissionais considerados “early adopters”, ou seja, que decidiram seguir o caminho do BIM e implantá-lo em seus escritórios sem serem solicitados para fazê-lo. Essa motivação os levou a uma grande habilidade na modelagem de projetos em BIM. O caminho da Austrália em que os profissionais adotaram o BIM por impulso próprio foi diferente do Reino Unido, que teve o governo como propulsor da tecnologia e dos Estados Unidos, que foi impulsionado pelos fabricantes de software.

O desafio de todos os profissionais do setor – sejam engenheiros, arquitetos projetistas ou construtores – é trabalhar de forma colaborativa e transformar seus processos de projeto para se adequar ao BIM. Portanto, o desafio está lançado e, como vemos, ele não tem como ser feito às pressas ou “quando lhe pedirem um projeto em BIM”, pois uma mudança de processo e de ferramenta não se faz de uma semana para outra ou só com um curso novo, haja vista o exemplo do Reino Unido, que estipulou cinco anos para o mercado se adaptar para ser seu fornecedor.

Na era CAD, a transição foi mais impactante ainda, pois a tecnologia estava muito distante dos profissionais, resultando em uma grande transformação na substituição de ferramentas de desenho já consolidadas entre os profissionais para uma única máquina. Hoje, porém, a tecnologia esta na palma das mãos e em todos os lugares. Somos atropelados por ela a todo o momento, por sua constante renovação. Então não podemos esperar, pois quem não se adaptar não vai sobreviver neste mercado tão competitivo.

Por Claudia Campos